Congresso da AIPS: o VAR veio para ficar (*)

Massimo Busacca apresentou resultados da utilização do vídeo-árbitro no “Mundial” da Rússia

 “No início, olhei para o vídeo-árbitro (VAR) com muitas reservas. Hoje, porém, penso que o VAR é indispensável ao futebol”, afirmou Massimo Busacca, diretor de Arbitragem da FIFA, durante o 82.º Congresso da Associação Internacional da Imprensa Desportiva (AIPS), realizado esta semana, em Lausanne (Suíça).

Numa conferência que prendeu a atenção da centena e meia de participantes no congresso, Massimo Busacca apresentou o balanço pormenorizado da utilização do VAR no recente “Mundial” da Rússia.

O ex-árbitro internacional e agora dirigente da FIFA começou por colocar uma pergunta: “Porquê o VAR no Campeonato do Mundo?”. A resposta foi detalhada:

– O futebol pediu para eliminar erros claros nas decisões dos árbitros, que podem mudar o resultado dos jogos;

– As equipas não querem perder por causa de erros claros dos árbitros;

– O futebol é um grande negócio; em cada jogo os árbitros têm uma enorme responsabilidade;

– Uma só decisão pode mudar a carreira de um árbitro; (“Um jogador passa ao lado do jogo, mas marca um golo decisivo aos 89 minutos: é a figura do jogo, é considerado um herói. O árbitro toma decisões acertadas durante 89 minutos, mas tem uma decisão errada que decide o vencedor, no último minuto: é completamente destruído”, comentou.)

– Uma só decisão pode mudar completamente um jogo.

E isto apesar de reconhecer que “os árbitros de topo não cometem muitos erros”.

Continuar a ler