António Florêncio: reações à sua morte (1)

A morte de António Florêncio tocou muita gente, de jornalistas a dirigentes do futebol e fazemos aqui uma recolha de alguns que nos enviaram ou que apareceram nas redes sociais.

“Morreu o António Florêncio. Foi um jornalista essencial na internacionalização de A BOLA e grande responsável pelas galas em Lisboa do World Player of the Year em parceria com a Fifa. Um histórico correspondente do jornal e um inesquecível companheiro”

Vitor Serpa, ex-diretor de A Bola 

“António Florêncio – Querido Amigo, estarás sempre aqui!

O amanhecer despontou terrivelmente triste com a partida do António. Por alertado, há várias horas que esperava as más notícias e, pela palavra do seu adorado filho Rui, o inevitável aconteceu.

Mesmo assim, ninguém se prepara, quando se desvanece alguém tão importante para a habitual manutenção das coisas boas e saudáveis da nossa Vida. 

O António era e será uma das figuras marcantes da minha existência. 

Eu e a minha Família tivemos o enorme privilégio de contar com a sua presença e convívio ao longo de décadas. 

Para lá da sua elevada estatura, como homem e como profissional, recordaremos sempre a alegria de viver, as canções, as anedotas, os ditos tão especiais, a gargalhada peculiar e uma forma de saber estar que não deixava ninguém indiferente. 

Como costumo dizer, é a Vida a rolar, mas custa muito, mesmo muito!

Um grande Amigo que não voltarei a ver, mas que, pelo seu legado humano, estará sempre por aqui! Ao nosso lado!

João Gonçalves, jornalista e ex-andebolista

“Conheci o António Florêncio há tantos anos que nem me recordo. Foi um companheiro, amigo e colega de trabalho. Aqui há uns anos veio a Lisboa reunir com os demais membros da direção do CNID para lhes comunicar a sua retirada, devido a um problema de saúde.

Nesse dia telefonou-me e disse-me o que se passava e pediu-me: “Zé, não leves a mal mas não quero estar contigo. Vai custar mais aos dois…” Despedimo-nos assim, por telefone, sabendo que, por vontade dele, nunca mais nos veríamos.

Respeitei a sua vontade e hoje recordo o António Florêncio com dor e saudade.

José Carlos Freitas, Jornalista e ex-presidente do CNID

“Foi com surpresa e tristeza que li a notícia (…). O Florêncio era um bom companheiro e muito generoso no apoio aos jovens jornalistas, como era o meu caso quando me cruzei pela primeira vez com ele em serviços no estrangeiro. Forte abraço para a família.

Luís Milhano, Jornalista

“Era um ser humano único! Tenho histórias com ele que não tenho com mais ninguém do mundo do jornalismo . Triste . Um beijinho para família

Paulo Santos, fotojornalista

“Morreu um amigo. Sentidos pêsames.

Joaquim Queirós, Jornalista

“…partiu o António. 

“Velho” companheiro de muitas lides, brincalhão, alfacinha de gema e sempre disposto a dar a mão ao amigo.

Partilhamos grandes momentos aquando da candidatura de Portugal ao Euro-2004 e, mais tarde, na própria organização do evento. 

Ficam as memórias, sempre boas, quantas delas partilhadas à mesa, para um bom repasto.

Até sempre Florêncio!

Fernando António, Jornalista

“Há muito tempo que nada sabia sobre o António Florêncio . Os mais respeitosos sentimentos à familia e amigos. No CNID desenvolveu trabalho prestigiante para os jornalistas da área do desporto   .

Fernando Maciel, Jornalista

“Também tu, ‘Flores’? esta ‘lísbia’ há muito não é a mesma. #rip #AntónioFlorêncio privilégio ter partilhado o ‘balneário ‘ e tantas histórias contigo. Sentidos pêsames a toda a família

João Esteves, Jornalista

“Muito triste com a partida do Florêncio. Ficamos mais pobres e vazios. Sentidas condolências. Paz à sua alma.

Pedro Azevedo, Jornalista

Os meus sentimentos a toda a família. Um grande Senhor que nos deixa?

Tiago Viegas, presidente da Academia Olímpica 

“Trabalhei com ele diretamente no Euro 2004. Um senhor. Mais tarde na liga assinei um protocolo com o CNID que julgo ainda está em vigor. Sentidas condolências para toda a família e amigos

Hermínio Loureiro, ex-secretario de Estado do Desporto e ex-presidente da Liga de Futebol

“O meu grande Amigo António deixou-nos. Ele que tanto amava a Vida e a família e era tão solidário com os amigos. Lamento muito, fico triste, mas recordo as horas, os dias, os meses que convivemos na luta pela dignificação e  prestígio do CNID e por um Jornalismo com Ética  e independente.

Murillo Lopes, secretário geral do CNID

“Recordo com muitas saudades uma pessoa excecional, um grande profissional,  um amigo  com quem tive o prazer de trabalhar no Matra Racing e vários contatos durante o Euro. Os meus sentidos pêsames à família e amigos.

Lucidio Ribeiro, empresário de futebol

“Grande profissional e pessoa muito ponderada e acessível. R.I.P.

Alexandre Mestre, antigo secretário de Estado do Desporto

“Fomos « rivais » – ele na Bola e eu no Record, mas percorremos a Europa juntos e éramos amigos. 

Um abraço para a família!

Noé Monteiro, ex-correspondente de Record na Suíça 

“Uma perda para o jornalismo desportivo. Um profissional como poucos, de um sentido ético acima de qualquer suspeita, uma pessoa com um humor contagiante. Os meus sentimentos à Família e Amigos. RIP

Avelino Azevedo, árbitro de voleibol

“Conheci o António Florêncio como grande profissional, empenhado, bem disposto e sempre disponível para ouvir e sugerir direções. Trabalhou com as associações de futebol ajudando definitivamente a criar caminho novo. O Desporto e o jornalismo desportivo perde um dos seus melhores. Condolências à família e ao CNID que dele se devem orgulhar.

Carlos Lopes Ribeiro, dirigente desportivo

“Até sempre amigo. E obrigado por tudo

Germano Almeida, comentador