Vitor Serpa deixa A Bola, João Bonzinho novo diretor

Vitor Serpa deixou de ser o diretor do diário desportivo A Bola, ao fim de 30 anos e é substituído por João Bonzinho, jornalista naquela casa há dezenas de anos também. José Manuel Delgado será ainda diretor-adjunto, ele que já pertencia à direção.

O Editorial da edição de hoje, logo na primeira página, tem o artigo de despedida de Vítor Serpa, em que este anuncia também o nome do seu sucessor. “Nenhum poder deve ser eterno”, é o título do artigo do jornalista que mais tempo foi diretor do jornal e que há mais tempo dirigia qualquer jornal português de primeira linha, diário ou semanário, numa longevidade muito rara hoje em dia.

Vitor Serpa explica que não saiu antes por causa da pandemia de covid-19, que alterou a vida do país e criou muitos problemas aos jornais, nomeadamente diários.

“Os jornais vivem uma crise generalizada e, em Portugal, o problema é, mesmo, o da sobrevivência”, mas “não sou pessimista quanto ao futuro”, pois “existem razões objetivas para acreditar, a primeira das quais é a qualidade da nossa equipa, continuaremos juntos na luta pelo sucesso e na convicção de que continuaremos a ter a preferência dos leitores”, conclui Vítor Serpa no editorial.

Vitor Hugo dos Santos Serpa nasceu a 9 de dezembro de 1951 e além de quase 50 anos nos quadros de A Bola, onde entrou em 1974 vindo do extinto Diário Popular, tem vários livros publicados como ‘Tanta gente em mim’, ‘Há vida nas estrelas’ ou ‘Golos de letra’.

A Jo~so Bonzinho, o CNID deseja as maiores felicidades no novo cargo.

 

Novos coletes já disponíveis

O novo colete do CNID já está disponível ao preço de 80 euros a unidade. Muito práticos para o trabalho de  repórteres-fotográficos e não só, estão adaptados às novas realidades do trabalho jornalístico e continuam a ser muito bonitos.  

Funcionamento do CNID regressa ao normal

Tal como previsto, o CNID voltou ao seu funcionamento habitual já na passada sexta-feira, dia 16, após as férias, pelo que os sócios já podem contactar a sede como habitualmente, da parte da tarde, de segunda a sexta-feira, das 15 às 18 horas.

Presidente do CNID esteve na Semana da Integridade da SIGA

O presidente do CNID participou na passada quinta-feira, dia 15 de Setembro 2022, num painel sobre o que se espera dos media num mundo desportivo ameaçado por dinheiro a mais e meios de comunicação a menos integrado na Semana da Integridade da SIGA (Aliança Global para a Integridade no Desporto, na sigla em português)..

 

Manuel Queiroz, David Nelson (diretor do AS USA), Luís Simões (presidente do Sindicato dos Jornalistas) e Jose Manuel Ribeiro (Moderador) no painel do último dia da Semana da Integridade da SIGA, n Campus da Nova Business School

“Em Portugal, como em boa parte da Europa e especialmente no sul, a Imprensa desportiva está em dificuldades nas suas edições em papel e ainda não encontrou outro modelo de negócio. Os meios estão em dificuldades, sobretudo os jornais, mas continua a haver jornalistas com vontade de denunciar, com paixão e com grande valor”. disse Manuel Queiroz na sessão, que decorreu no Auditório principal da Nova Business School, em Carcavelos.

O debate foi moderado por José Manuel Ribeiro, até há pouco diretor de O Jogo, e Luís Simões, presidente do Sindicato dos Jornalistas, e David Nelson, diretor do As USA, participaram também presencialmente, enquanto o brasileiro Renato Ribeiro, diretor da TV Globo, e Haresh Deal, fundador do Twentytwo13, participaram via online.

Do debate percebeu-se que as dificuldades tocam os meios dos vários continentes, embora de forma um pouco diferente – os jornais sofrem mais. A confiança nos Jornalistas e na sua paixão pela verdade foi outra das conclusões deste encontro. A Semana da Integridade da SIGA envolveu dezenas de oradores e foi um momento importante de reflexão sobre os caminhos do desporto.

Está de parabéns o CEO Global da SIGA, Emanuel Macedo de Medeiros, e todo o staff que organizou este encontro que teve uma audiência global.

 

CNID em funcionamento limitado até dia 16

Por motivo de férias, a sede do CNID – Associação de Jornalistas de Desporto, no Bairro da Liberdade, em Lisboa, vai estar, até ao próximo dia, 16 com um funcionamento muito limitado. É o habitual na primeira quinzena de Setembro e pelo facto pedimos a compreensão dos nossos sócios e das outras entidades que interagem com esta associação. Mesmo o acesso ao mail será intermitente.

Assim, a partir de sexta-feira dia 16 de setembro, o funcionamento da sede regressará à normalidade  no horário normal, entre as 15 e as 18 horas diariamente.

COMUNICADO: Processo espúrio instaurado a uma jornalista

O CNID – Associação dos Jornalistas de Desporto tomou conhecimento de que o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol abriu um processo a uma jornalista da Sporttv.
Esta é só mais uma das muitas coisas estranhas que se passam no âmbito da Justiça Desportiva, porquanto a Jornalista se limitou a fazer o seu trabalho, fazendo uma pergunta ao treinador do Sporting sobre uma questão de atualidade (declarações de Slimani), ao que o treinador respondeu educadamente que falaria disso na conferência de Imprensa que se seguiria.
A jornalista colocou apenas uma questão pertinente como é seu dever. Abrir um processo por isto é absurdo, para não lhe chamar outra coisa.
O CNID desconhecia este inusitado âmbito disciplinar a que os Jornalistas estariam submetidos e que é absolutamente inaceitável.
Os Jornalistas não podem ser escrutinados por nenhum Conselho de nenhuma Federação ou Liga, nem por nenhum clube. Nunca. Jamajs
A Jornalista contará com o apoio total do CNID, que irá até às instâncias internacionais se for caso disso. E se, por absurdo, houvesse que ser paga qualquer multa, o CNID faria questão de a pagar — em moedas de cêntimo, entregues à presidente do CD.

Requisição de coletes

Os diferentes orgãos de Comunicação Social deverão indicar para o CNID o número de coletes que pretendem, com a indicação da identidade dos seus futuros titulares, já que o colete será pessoal e intransmissível. O mesmo princípio será aplicado a federações. ligas, clubes e fotógrafos que tenham uma actividade independente.

O custo dos coletes sofreu uma actualização, resultante do encarecimento da matéria-prima. A partir de agora, o colete terá um custo de € 75,00 Euros por unidade, excepto para profissionais que o adquiram pela primeira vez. Nesses casos, o preço será de € 80,00 Euros a partir de setembro de 2022..

Para pedir o colete único destinado a repórteres fotográficos deverá efectuar os passos seguintes:

1. Preencha o formulário com os dados completos, não se esquecendo de indicar a identidade dos futuros titulares, já que os coletes serão pessoais e intransmissíveis, e envie para cnid@cnid.pt.
2. O pagamento será feito no acto de levantamento dos coletes, na sede do CNID: Bairro da Liberdade, lote 6 – 2º piso, 1081-972 Lisboa.